Amor além dos poemas de amor
(XIX - todo mundo num terrêro)

memórias de um preto véi ganhador
do prêmio nobel da paz em 2888.

muita pinga na cacunda
tacaro na macumba

búzio de babalaô
ifá e o seu tarô do amor

das entidade num havia
uma só que num vinha

ora ora deixe estar
se é eles podentrar...

o vigário no tambô
nossinhora e o pastô

o semba do eremita
e a cerveja carmelita

o monge bebeu vinho
com o cético adivinho

a hóstia e o luterano
martin tava cantano

uns deuse de ateu
e o karma do judeu

toda gente adorano
o girassol do pataxó

jeová reencarnano
a geração de sua avó

moisés jacó dano estrela
jogavam capoeira

o feitiço e o mito
das divindade do olimpo

até mesmo o beiçudo
reza cum nóis tudo

em se tratano de credo,
ninguém tá errado,

nem certo!



Cristiano Siqueira

6 comentários:

Suellem disse...

Amigo, você arrasa... Esse preto véi vai ter que estar no meu casamento, né?! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Poeta!! vc é muito versátil!linda poesia. qto talento!parabéns!

@maxmiliano disse...

cristiano.. ja o sigo a bastante tempo. e adorei essa poesia, peço permissao para postar no meu blog com todos os creditos e links aqui pro seu blog.

Amily Rocha disse...

Cristiano, tive o privilégio de conhecer sua poesia no Café Filosófico. Na ocasião você disse que realiza eventos relacionados a poesia e literatura. Aí vai o meu e-mail para que você me envie informações a respeito: amily.rocha@gmail.com
Grata!

Telma e Karina disse...

Adorei! Transborda talento em você! Um abraço, Karina

rafaelmeck disse...

Me perdi em seus poemas! Muito bons! Parabéns amigo!