amor disforme

(quando não amei, foi o jeito que
encontrei de amar também)


é de propósito
que a faço feia...

pra suportar os teus propósitos
não vejo cabelos,
senão teias

e vejo do viço,
langor e óbito

um raio de sol beijou tua face!

me entretive apenas
com o espectro da luz
e suas propriedades

desertei a poesia
por um cético
olhar métrico

eu te fiz corcunda
murchei-lhe os seios
trouxe opaco pras unhas
vinquei teus sorrisos envelhecidos
quebrei as cordas de teu canto e tua lira
e de tua voz amplifiquei os ruídos.

de propósito te fiz feia,
muito feia!

tudo pra suportar
a dor de tua beleza...



Cristiano Siqueira

(Arte de Aline Siqueira)