amor à auto-biografia

cheguei por caminhos imprevisíveis,
acredito que lentamente
pra poder ficar:
ainda não cheguei

horas sou
que não sou
poeta: mas espero...

colho o aroma das flores
plantadas às margens
de um raio de sol

não penso pra poema,
deus também é minúsculo,
tenho as velas das rezas de minha mãe
acendidas sobre os ombros

quando delimito meu acaso
vem o etéreo e me dilui,
nos quintais de todo o espaço

dou minha mão para a outra
e atravesso ruas que não levam meu nome

se me sufoco giro em torno a mim,
não há como fugir:
ninguém ama mais nem menos do que o amor impõe.


Cristiano Siqueira




(Foto de Gil Prates)

5 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito, o último verso!!!Por isso é preciso deixar(-se) ir, deixar(-se) levar....Fazer força só atrapalha as coisas, né? O pau é quando esse amor, não correspondido, insiste em permanecer. Ô vida injusta, sô! J.L.

Luciane disse...

Que lindo poema. E que ótimo isso...amar nossa auto-biografia. Muito bom!

Renata de Aragão Lopes disse...

"horas sou
que não sou
poeta"

Tudo a ver
com o poema "Elementar"
que publiquei,
há alguns dias,
em minha confeitaria:
http://docedelira.blogspot.com/

Convido você
para uma visita! : )

Um beijo.

Talita Prates disse...

Sem dúvida, Cristiano
ainda não chegamos.

Mto maduro!
Bjo.

somebody disse...

酒店經紀人,

菲梵酒店經紀,

酒店經紀,

禮服酒店上班,

酒店小姐,

便服酒店經紀,

酒店打工,

酒店寒假打工,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工經紀,

制服酒店經紀,

專業酒店經紀,

合法酒店經紀,

酒店暑假打工,

酒店兼職,

便服酒店工作,

酒店打工,

制服酒店經紀,