Amor sem tempo


Eu, súdito de tua ausência,
Recomponho os ares pelos quais
Navegaram teus perfumes.
Trago em mim a cicatriz de teu silêncio,
Ardo na lembrança de teus vagos lábios perpétuos!

Tu que levastes a ti os meus lugares
E fizeste de minh’alma teu manto em torno a mim,
Não dás conta que me adentro em inverno rigoroso,
Onde o mantimento é a fome de teu pêlo.

Ah! Viesse agora a sombra de tua boca
Para nela repousar a flama de meu beijo!
Eu não te poderia amar;
Tu não saberias me dar tempo...

Cristiano Siqueira







(Foto de Vincente Sampaio)