Amor clandestino

Este amor que num vai,

Nem racha,
Anda mais sem gosto
Que almoço com pressa;
Tão mais louco quanto dor
Que se venera!

Este amor que tanto necessito
Desde o mito do hímen
Até suas doenças venéreas,

Há de me encontrar
Na tristeza de um sorriso,
E na candura das tragédias!

Cristiano Siqueira
(Foto de Richard Bram)