amor em tudo!

na madrugada dos cruzamentos
ama a puta e o filho da puta
que ainda não nasceu

ama o hímen da virgem
a mãe antiga, matrimônio
da filha com clamídia

nos cemitérios choram
parafinas, as velas
por amores que partiram...

ama o menino
que não ama a menina
por não ter idade ainda

ama o cientista ao poeta
que não ama a métrica
da língua sem coração

ama o sol aos íons
do poente que ama
o mol do eclipse lunar

o mar reflete a lua cheia
na areia que ama as horas
vagas dos namorados

ama o mendigo sujo
e sem cama, flagrado
trepando em público

a muda ama o mudo
e eu quero aprender libras
pra ter palavras tão vivas!

ama a noiva ao seu noivo
pouco antes do noivado
que no altar desapareceu

ama as cartas guardadas
de amor resistidas
nas gavetas com traças

ama o filho de proveta
do casal estéril, abortado
ainda quando feto

ama o celibato ao pecado,
a água ao terço e a reza,
ama até a bíblia; a guerra

o amor é o signo da terra
tempero de sal, fel e açúcar
amor é tudo, trivial e absurdo!


Cristiano Siqueira
(Foto de Narelle Autio)