Amor descendente
Em memória de Lia, minha amiga.

Há muito não a via!
Uma criança me recebeu
Em sua casa e me olhava,
Olhava, olhava...

E quanto! Aquele olhar
Me dizia...

Lia estava morta.
Mas não tão morta
Que não me olhasse
Da face de sua filha...


Cristiano Siqueira



(Foto de Trent Parke)