Amor cândido
(Idílio)


vem deitar-te no seio
deste meu amor
sem receio, ó amada!
cubra-te com meu manto,
sou arcanjo enlaçado ao teu véu,
sou martírio se me deixas
não cuida-la,
sou fascínio neste amor
que me afaga.

o luar vem projetar
os céus nos teus cabelos
e nem mesmo Deus
pode detê-los de ser
Deus os teus cabelos!

os sóis vem cingir
seus arcos nos brilhos
de teus lábios
e nem mesmo Deus
pode impedir
a mais cintilante estrela
de inveja-los!

e eu que não posso
ser nada, vivo esperançoso
de ser pleno, ver-te
ao meu peito inclinada...
teus ouvidos
nos meus suspiros:
ó minha amada!


Cristiano Siqueira




(Foto de Henry Cartier-Bresson)